quarta-feira, 16 de setembro de 2009

Sobre o primeiro dia

Minha visão da cidade, no primeiro dia.

Tanta Água
Itamar Assumpção

É tanta água despencando lá do céu
Meu Deus do céu meu Deus do céu
Meu Deus do céu o que que tá acontecendo
É São Pedro que ficou pinel
Com raiva de São Paulo é primavera é primavera
Só que só fica chovendo
São Paulo está tal qual a Torre de Babel é inflação
É vendaval é só papel esperanças vão morrendo
É só quimera e mais quimera mas que merda é não e não
E fel e fel mas que escarcéu que a gente tá vivendo
Não tem mais galo cantando não tem mais nem de manhã
Não vejo o sol que mundaréu que frio que tá fazendo
Garoa neblina sereno formando um véu
Quem me dera ver o céu mas eu só fico querendo
É chuva fina encharcando meu chapéu e o solidéu
E o solidéu e o solidéu daquele padre correndo
É primavera só que escreveu não leu escureceu água desceu
Meu Deus do céu o que que tá acontecendo


Depois de muita chuva, um breve passeio pelo mercado municipal e FAU (cidade universitária), o primeiro dia chegou ao fim com recordes históricos de pluviosidade e muitos pontos de enchentes e alagamentos pela cidade.

Um comentário:

andré disse...

Vá até são paulo ver o que é bom pra tosse!rs...Tom Zé tá certo: São, São Paulo, quanta dor! São, São Paulo, meu amor!...rs...beijos!