terça-feira, 11 de novembro de 2008

Ainda sobre a individualidade

Sábado à tarde, o filho sai do quarto para tomar água e o pai lhe fala:


Você não pode ficar tanto tempo dentro de casa; tem de ir para a rua, ver o movimento, as pessoas, andar por aí, conversar com outras pessoas.


Por quê?


Porque se ficar sempre com as mesmas pessoas, será considerado um chato que não conversa, antipático e que se acha melhor que os outros.


Não gosto de conversar com qualquer pessoa, não me considero melhor, apenas diferente. Não preciso que todos gostem de mim, só preciso que as pessoas de que gosto saibam disso e que se quiserem gostem de mim também. Não me importo com o que pensam a meu respeito.


Não se importa que as pessoas não gostem de você?


Não. Só me importo com as pessoas de que gosto.


Claro que se importa! Eu sei que se importa, ninguém é feliz sabendo que não é querido por todos!


Eu não ligo. Alias quero que as pessoas de que não gosto saibam disso, para que não gostem de mim também, assim nunca preciso falar com elas.


Você é muito teimoso!

3 comentários:

andré disse...

O egoísmo é tanto que não consegue considerar a possibilidade de existir alguém que pense diferente...beijo!

V disse...

Nos dois textos sobre individualidade têm um trecho similar em que a velha ou o pai falam como se conhcessem muito bem o sentimento do outro ("eu sei que você quer.."). Por que os mais velhos acham que sabem tanto asim dos sentimentos dos outros?

Ana disse...

O problema é que não são só os mais velhos... Obrigada pela visita!