terça-feira, 18 de novembro de 2008

Viva o Zé!

Quinta-feira passada fui ao sesc ver o fim da trilogia e meu primeiro filme sobre Zé do Caixão, "A Encarnação do Demônio" que é dirigido e interpretado por José Mojica Marins. Gostei muito do filme, que não deve em nada à produções gringas, e mostra uma personalidade única. Muito me agradou a entrevista feita com o diretor depois da apresentação da fita , como ele mesmo fala.

Nessa entrevista José Mojica nos contou sobre seu amor pelo cinema, em especial o de terror, sobre como fez seu primeiro filme aos 10 ano
s de idade (!) e de como foi dura sua vida fazendo cinema: a dificuldade em conseguir investimento, o desperdício dos novos talentos, o desdém de governantes para com a sétima arte, as dificuldades técnicas de outrora, em como ele preferiu utilizar nesse longa os "efeitos reais" como ele chama (as baratas e a cena da atriz saindo de dentro de um porco são feitas sem efeitos computacionais), seus novos projetos, enfim um pouco sobre os 60 anos de alegrias e sofrimento em prol do cinema no país. (Fiquei impressionada em como um homem com 72 anos ainda tem tanta energia e vivacidade!)

Após a entrevista houve um coctel à moda Zé do Caixão com pães em forma de corpos ensanguentados, doces em forma de vermes e garçons com uniformes sujos e maquiagem macabra, tudo muito interessante e pitoresco. Coloquei-me a pensar em como, finalmente, depois de todos os sacrifícios, o homem é reconhecido nacional e internacionalmente ainda em vida pelo seu grande trabalho como diretor, produtor e roteirista. Fiquei com a pergunta na cabeça: Será que a postura do Brasil está mudando?

Um comentário:

andré disse...

Costumo ser pessimista, mas devo confessar que, pelo menos em São Carlos, as coisas no campo da cultura tem melhorado e muito...agora sobre o Zé, sem palavras, o homem é gênio! Me sinto um completo imbecil perto dele, rs...beijo!